terça-feira, 13 de agosto de 2019

Falta de vitamina D em idosos aumenta risco de fraturas

A falta de vitamina D nas pessoas que moram em cidades grandes já atingiu números preocupantes segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Especialmente nas que têm mais de 65 anos. Em 85% dos idosos moradores da cidade de São Paulo, por exemplo, foram encontrados valores inadequados de Vitamina D. Em idosos que moram em instituições, a proporção aumentou para mais de 90%. Entre os jovens, já está em 50%.

O problema é que entre as consequências da deficiência de vitamina D estão a menor força muscular e a maior fragilidade dos ossos (osteoporose), o que aumenta o risco de quedas e fraturas. Além disso, estudos recentes têm associado ainda a falta dessa vitamina a uma série de outros problemas de saúde, como doenças cardiovasculares, depressão, diabetes, esclerose múltipla e cânceres de mama, próstata e colorretal.

Vitamina D através da exposição ao sol

A vitamina D é produzida pelo corpo quando a pele é exposta à luz ultravioleta, cuja principal fonte é o sol. Nos idosos, no entanto, a pele sintetiza cerca de um terço a menos de vitamina D quando exposta ao sol em comparação com pessoas mais novas e o uso de filtro solar também atrapalha o processo. Além disso, muitas pessoas dessa faixa etária passam mais tempo dentro de casa e não tomam sol o suficiente.

Mesmo precisando de mais tempo do que os jovens para produzir a mesma quantidade de vitamina D que eles, os idosos podem se beneficiar de um banho de sol diário sem protetor solar. Mas é preciso tomar muito cuidado com os excessos, que podem causar queimaduras e aumentar o risco de câncer de pele.

Vitamina D através de dieta e suplementos

Tomar sol não é a única maneira de conseguir vitamina D. Ela também está presente em alguns alimentos. O problema é que são poucos os que possuem uma quantidade significativa, como sardinhas enlatadas, ovos cozidos ou leite fortificado. Além do que, é praticamente impossível conseguir suprir a quantidade ideal de vitamina D só por meio da alimentação.

Por isso, os médicos costumam recomendar aos pacientes com deficiência de vitamina D o consumo de suplementos. Segundo estudos, idosos que tomam suplementos têm menos risco de fraturas e maior tempo de vida. Mas não tome suplementos de vitamina D por conta própria, pois o excesso pode trazer riscos sérios para a saúde se tomado por vários meses. Pergunte ao seu médico se um suplemento pode beneficiá-lo e, se for o caso, qual a dosagem certa para o seu caso.

Fonte: Blog da Saude-Grupo NotreDrame Intermédica

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Pegador Multiuso-Mebuki

Especificações:
  • Composição: ALUMÍNIO, PLÁSTICO, BORRACHA
  • Dimensão: 100 CM
  • Cor: Alumínio
  • Fácil manuseio
  • Leve
  • Garra com ventosas que seguram melhor o objeto.
  • Fornecedor: Mebuki.

Indicações de Uso:
  • No comércio, para pegar objetos em prateleiras.
  • Alcance de objetos no alto ou no chão.
  • No carro para abrir ou fechar cancelas de supermercado e shopping.
A imagem utilizada para ilustrar o produto é uma foto de divulgação. Pode haver pequenas alterações do produto, caso o fornecedor entenda que seja necessário.
Todas as informações são de responsabilidade do fabricante.
Esse produto não necessita de ANVISA.

terça-feira, 16 de julho de 2019

Os 10 melhores hábitos para a saúde do idoso


Chegar na terceira idade esbanjando saúde é o desejo de todos nós. Então leia este artigo e fique sabendo quais são os 10 melhores hábitos para o idoso ter uma boa saúde.

  1. Ingerir leite e derivados
    Leite e derivados como queijos e iogurtes contêm grandes quantidades de cálcio e são fundamentais para a saúde dos ossos e também dos músculos.
  2. Muita proteína
    No Brasil 64% da população de idosos não comem a quantidade de proteínas adequada. Inclua na alimentação ovos, leite, carnes em geral, proteínas de origem animal e dê qualidade para a saúde do músculo.
  3. Atenção as fibras
    As fibras são recomendadas pois elas melhoram a saúde do intestino e diminuem o risco de câncer e colesterol.
  4. Faça atividade física
    O idoso deve fazer o exercício que for mais acessível para ele, uma caminhada simples, por exemplo, já melhora a saúde pulmonar e cardíaca.
  5. E bastante atividades mentais
    Os idosos que estudam, leem e têm interações com outras pessoas, possuem uma reserva de capacidade cognitiva cerebral maior e isso ajuda a prevenir doenças ligadas ao esquecimento.
  6. Tenha bons contatos sociais
    É muito importante que o idoso mantenha bons relacionamentos com a família e os amigos. Ele não pode ter isolamento social, o ideal é também participar de grupos e fazer trabalhos voluntários, que ajudam tanto na saúde física, como mental.
  7. Durma
    Os idosos que têm dificuldades de manter um sono adequado, devem ficar alerta e procurar atendimento médico contra apneia do sono ou insônia, pois isso prejudica ainda mais a memória, os músculos e a saúde geral deles.
  8. Elimine as quedas em casa
    As quedas podem ser muito perigosas, por isso diminua tapetes em casa, evite degraus, escadas, pisos escorregadios, apoios e suportes para se segurar, principalmente em locais como banheiro, onde há o risco maior de cair.
  9. Previna o câncer
    É importante ficar em alerta: faça uma alimentação saudável para diminuir esse risco. Diminua as carnes vermelhas, aumente o consumo de fibras e façam exames preventivos.
  10. Seja bem humorado =D
    A depressão é uma doença comum na terceira idade. Estudos indicam que 20% da população de idosos possuem algum tipo de depressão. A dica é evitar ficar isolado dentro de casa e longe da família!
Fonte:Portal Amigo do Idoso

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Lançamento: Almofada Theva Balls Redonda para Assento e Suporte Terapêutico Posicionador Lombar

Almofada Theva Balls Redonda para Assento

Suporte e conforto ideal ao sentar.

  • Produzida com micropérolas de poliestireno oferece conforto diferenciado
  • Indicada para proporcionar mais conforto em casos de pós operatório de hemorróidas
  • Disponível na cor preta.
  • Tamanho: Diâmetro externo 40 cm x Diâmetro interno 9 cm




Suporte Terapêutico Posicionador Lombar


A Almofada Lombar tem design exclusivo, que garante ponto de apoio para a lombar. Feito com espuma viscoelástica que auxilia na prevenção da fadiga e pressão na coluna lombar.
Ideal para ser utilizada em casa, no escritório, no carro e em viagens. Sua coluna merece este conforto!

Benefícios e características:

  • Proporciona excelente apoio lombar
  • Espuma viscoelástica alivia a pressão na coluna lombar
  • Design exclusivo garante ponto de apoio para a coluna lombar
  • Elástico facilita ajuste em encostos
  • Tecido inteligente permite a passagem do ar
  • Capa removível e lavável
  • Cor: Azul Marinho

sexta-feira, 21 de junho de 2019

5 dicas para você comprar um Andador Adulto ou Ortopédico




O andador adulto ou andador ortopédico é um equipamento utilizado por pessoas com comprometimento de marcha (andar), auxiliando essa condição em casos de dificuldade de equilíbrio, força, disfunção ou em quadros pós cirúrgicos que envolvam os membros inferiores. Porém, algumas dicas podem ser bem úteis para você aproveite ao máximo essa ajuda:

1) REGULAGEM DE ALTURA: Antes da compra, verifique se o andador possui sistema de regulagem de altura. Pessoas tem tamanhos diferentes, e ninguém quer ficar andando "torto" por ai nem em má postura. Geralmente os andadores ortopédicos possuem sistema de regulagem de altura por pinos ou rosca e a média da regulagem é para pessoas de 1,5 a 2 metros. 

2) MODELO IDEAL: Existem vários modelos de andadores ortopédicos,mas os mais utilizados são os com 4 "pernas". Também os com rodas anteriores podem auxiliar quem tenha dificuldade em levantar ou articular o andador, mas é preciso ter atenção quanto a dificuldade da pessoa frear esse andador. Outra situação a ser escolhida é quanto a ser fixo ou articulado. O modelo fixo não se move, o modelo articulado "acompanha o passo da pessoa", basta elevar um pouco um lado e movimentá-lo para frente. Outra classificação é entre fixos e com sistema de fechamento. Escolha sempre os "que fecham" para que você possa transportá-los ocupando o mínimo de espaço.

3) RESISTÊNCIA E CARGA: A carga é outro fator importante. A média de resistência de carga de um andador ortopédico é de 100 a 130 kg. No caso da pessoa possuir peso acima dessas cargas, pode necessitar, apesar de raros, modelos especialmente fabricados para quem tenha um peso superior. 

4)  PONTEIRAS: Andadores possuem ponteiras nas extremidades distais dos seus "pés". É importante saber onde adquirir as ponteiras para reposições futuras.

5) INDICAÇÃO PROFISSIONAL: É sempre muito importante a orientação de um profissional da saúde (fisioterapeuta, médico, outros), que possam indicar o melhor modelo para o seu caso. 

Fonte:Blog da Magazine Médica

terça-feira, 4 de junho de 2019

Incontinência urinária em idosos é comum, mas não normal

Embora possa acontecer em qualquer fase da vida, a incontinência urinária é mais comum na terceira idade. O problema, que causa vazamentos acidentais de urina, afeta de 30% a 60% das pessoas com mais de 60 anos. Apesar de trazer grandes prejuízos para a qualidade de vida, a incontinência urinária em idosos é, na maioria das vezes, sofrida em silêncio – seja pela vergonha de falar do assunto ou pela crença equivocada de que essa é uma parte normal do envelhecimento e nada pode ser feito.

Mas, na maioria dos casos pode, sim, ser tratada. Por isso, se o problema está acontecendo com você, não deixe de procurar ajuda médica. O receio de não conseguir chegar ao banheiro a tempo e passar por situações embaraçosas pode impedi-lo de desfrutar de atividades comuns, como encontrar os amigos para bater papo e caminhar no parque. Não é à toa que isolamento social, sentimentos de baixa autoestima, ansiedade e depressão estão entre as consequências da incontinência urinária em idosos.

Causas da incontinência urinária em idosos

A incontinência urinária em idosos pode ter uma série de causas. Mas não há dúvidas de que as mudanças no corpo que acontecem com a idade favorecem o problema. Por exemplo:
  • Enfraquecimento dos músculos da bexiga;
  • Menor capacidade da bexiga, o que aumenta a frequência do xixi;
  • Diminuição da visão e da capacidade de se movimentar rapidamente, que dificultam a ida ao banheiro a tempo;
  • Enfraquecimento dos músculos pélvicos, no caso das mulheres;
  • Aumento da próstata nos homens.
Além disso, alguns medicamentos e determinadas doenças também podem contribuir para a incontinência urinária em idosos.


Tipos de incontinência urinária

Existem diferentes tipos de incontinência urinária, tais como:

Incontinência urinária de esforço – ocorre quando a urina escapa durante atividades que pressionam a bexiga, por exemplo: tossir, espirrar, rir ou levantar objetos pesados. É o tipo mais frequente em mulheres.

Incontinência urinária de urgência – também chamada de bexiga hiperativa, provoca um desejo súbito e intenso de urinar, a ponto de não dar tempo de chegar ao banheiro. Pode estar associada a um distúrbio neurológico ou diabetes.

Incontinência urinária por transbordamento – ocorre quando você não consegue esvaziar a bexiga e, por isso, a urina transborda em pequenas quantidades. Mais frequente em homens, já que o aumento da próstata pode levar à dificuldade de esvaziar a bexiga.

Incontinência urinária funcional – atinge muitas pessoas mais velhas que têm controle normal da bexiga, mas uma limitação física ou mental as impede de chegar a tempo ao banheiro. Por exemplo, se você tiver artrite severa, talvez não seja capaz de desabotoar as calças com rapidez suficiente.

Incontinência urinária mista – quando você tem mais de um tipo de incontinência urinária.

Tratamento para a incontinência urinária em idosos

A escolha do tratamento para a incontinência urinária deve ser discutida com o médico, que avaliará seu caso particular. Embora o profissional possa indicar medicamentos e até procedimentos cirúrgicos, as primeiras opções de tratamento para a incontinência urinária em idosos geralmente são mudanças simples no estilo de vida e intervenções comportamentais, tais como:

Exercícios para músculos pélvicos – também conhecidos como exercícios Kegel, têm como objetivo fortalecer os músculos que você usa para segurar o xixi, fazendo com que tenha mais controle da bexiga.

Banheiro programado – para tentar reduzir os episódios de incontinência urinária, você pode adotar a estratégia de urinar em intervalos regulares, por exemplo, a cada hora. Aos poucos, você pode prolongar o tempo entre as idas ao banheiro.

Restrições na dieta – alimentos e bebidas diuréticos que estimulam a bexiga podem ser reduzidos ou eliminados da sua dieta. Eles incluem: chá preto, chá verde, café, álcool, frutas cítricas e alimentos picantes.

FONTE: Grupo NotreDame Intermédica

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Andador com Assento (Suporta até 90 Kg)




Características:

  • Dobrável
  • Pintura eletrostática epóxi
  • Estofamento em nylon acolchoado
  • Regulável em altura
  • Duplo par de manoplas
  • Dupla função de freio (dinâmico e estacionário)
  • Roda traseira e dianteira de 8’’, maciça
  • Apoio de pé articulável
  • Apoio de braço cromado
  • Capacidade para 90 Kg
  • Cor: Azul Metálico
  • Fornecedor: Jaguaribe